terça-feira, 26 de julho de 2011

Pequenas Diretrizes Para o Ego Ferido

Se o mundo quer que você conheça a apatia e abuso de soberba, tais quais descritas em 1984, faça-os conhecer o poder do sorriso. Se eles querem que o frio absoluto de um admirável novo mundo toque sua pele, compre um casaquinho bem legal, aqueça-se. Compre também um casaquinho pra quem você gosta, nunca se sabe quando a próxima tormenta virá. Se os malucos te acham maluco, vista sua camisa de força e finja estar louco, mas deixe sempre a parte de trás aberta, pra você escapar de vez em quando da sanidade e ficar realmente louco. Se a força te convida para baixo, bata asas, voe. Se às asas estiverem machucadas, passe Merthiolate. Pode passar sem medo, agora não arde. E enquanto a asa não melhora, poxa, pleno século XXI: voe de mochila à jato. E se você se sentir sozinho, lembre-se do poder de sua própria voz... Grite. Grite bem alto. Nunca pare de gritar. Qualquer dia desses um anjo lá no céu poderá te escutar. Ele te fará companhia.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Dizeres

Você diz que precisamos de leveza pra conseguir flutuar de novo. Diz que precisamos ser livres pra bater nossas asas. Às vezes você diz que quer me ter por perto, mas ao mesmo tempo não quer me ter ao certo. Você diz que a vida é difícil e que as coisas mudam. Você diz que ainda quer ter diamantes no céu, quer sonhar e quer se perder, mas na realidade luta piamente pra se encontrar. Você não sabe o que sente, mas sabe o que quer sentir e ainda assim não sente. Você diz que quer viver, mas tem medo de conhecer o que a vida lhe traz. Você diz que quer casar, crescer, amar. Você diz que tem medo de não conseguir. Você diz um montão de coisas...

Você diz que conheceu alguém que pode balançar seu mundo, mas acha que não pode balançar o mundo dele. Saiba você que és plenamente capaz de balançar o mundo que quiser, embora eu não quero que você saiba por aí balançando mundos porque já conseguiu mudar o eixo do meu. Você diz que queria que aquela noite durasse pra sempre, enquanto as nossas noites foram passageiras, mas na realidade rastros das nossas velhas noites se alastram pelas horas que vivemos ainda hoje... basta prestar atenção. Você diz que está disposta à tentar, o que faz parte de uma série de itens necessários pra felicidade, mas você ainda não percebeu que o simples fato de tentar, já implica automaticamente em conseguir. Você diz que não tem planos, você diz que não quer papo, você diz que quer seus sonhos e ao mesmo tempo quer sapatos. Você diz um montão de coisas...

Você diz que quer voar, mas tem medo de tirar os pés do chão. Eu te digo que você pode, basta confiar em mim e me dar sua mão. Você diz que quer ir devagar, e por isso estamos no nosso terceiro-segundo encontro, eu te digo que o meu amigo tempo é capaz de me fazer voltar por ele quantas vezes necessárias forem. Você diz que está do meu lado, eu digo que estou em você. Você diz que se lembra de uma noite, enquanto eu me lembro de uma vida. Você diz que precisa se amar acima de tudo e eu digo que ME amo tanto que estou pronto pra amar você acima de tudo também. Você diz que acredita no destino, no que tem que ser e no que tem muita força enquanto eu apenas concordo com a cabeça, sem dizer uma só palavra. Você disse que é capaz de ver os olhos dele no escuro, eu digo - E SEMPRE DISSE - que sou capaz de ver os seus à distância, em qualquer lugar do mundo em que eu esteja. Você diz que está se conhecendo e eu digo, "posso conhecer você também?". Você diz que quer as roupas nas vitrines, quer a música, a magia e o poder. Você diz que tem medo de se perder. Você diz um montão de coisas... 

Você diz que tem problemas, diz que é estranha e chata. Você diz que é intensa, que chora fácil e que às vezes tem saudades. Você diz que não consegue, mas diz também que se desespera ao pensar que eu vou embora. Você diz que me ama, mas não sabe se pode dizer ou não. E então você não diz, na realidade. Você diz que a tal da leveza é pra compensar os problemas do mundo. Você diz que tem mais problemas que o mundo. Você diz que para o mundo você é gorda e feia. Mas quer saber o que eu digo? Eu digo que pra mim, você é o mundo. Eu digo que meu mundo respira você. É o que eu digo.

Mas você diz um montão de coisas...

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Aviso

Certa vez,
num muro a eito
envolto ao sonho
de um castelo
que vivi
li o aviso
e transiente
inatento
ao próprio sonho,
intento plano
me perdi.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Cais

Inverno,
Descanso das sementes.

Há-me
monstros latentes
asa em serpentes
consumindo
a bordas do cais.

Prende-se em meu corpo
tal como fosse porto,
dois navios a beira-mar:

O menor monstro
fome tem
e se alimenta
em cada mágoa.

O maior monstro
sede tem
e necessita
tua água.

Nas mágoas da estação
- amargas!
pequeno barco virou

Ás águas do teu mar
- salgadas!
grande barco zarpou

E se meu cais tivesse céu
tal como teve noutro dia
em outro inverno, em outro inferno
punha às asas das serpentes
em meus dois monstros latentes
velho poder que já perdi

acredito friamente
em uma estação quente
voltando a se instalar

um dia desses
ao olhares pra lua
notarás em tua retina
dois navios a flutuar.

a conquista
do meu sonho
não termina
quando morre
uma asa
em minhas costas

há reserva
nos galpões
dos dois monstros
que crio
em realidades
opostas

domingo, 3 de julho de 2011

Submarino

Prantos de uma noite fria
faz de toda estrada
ensopada em tempestade
por além desta janela.

Passa-me ideia em mente
de assim sair por sob as águas
tal como um boto no teu mar
tal qual semente ao seu plantar
assim serei

submarino-me em ti
sob suas asas à planar
misturo o céu, misturo o mar.
submarino sou
e assim serei
até o fim dos prantos,
devido fim dos planos
permeio por toda estrada
à tempestade
que contesta meu contexto
difícil meio
que se acaba
horas pós,
quando em novo dia
meu sol voltar a ser
o astro rei das profundezas.