sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Não Adie A Viagem

O barulho das ambulâncias lá fora, as notícias atômicas e repetitivas nos jornais, os elevadores quebrados, os emails pra responder, os chamados que atendemos, o pedido de cada pedinte perdido que atravessamos nas ruas, o trânsito que deita nas vias e deleita seus graves acidentes em nós, os sonhos de consumo inalcançáveis, os furtos e estupros sociais imperdoáveis, as febres coloridas e incolores, as leis estúpidas, os impostos bandidos, as ideologias vazias, a proliferação das dores...

As viagens que sequer foram perdidas porque NUNCA aconteceram. Porque não temos mais tempo, não temos mais dinheiro, não temos mais saúde, não temos mais companhia, não temos mais a energia que deixamos esvair. Então a gente adia.

MAS PUTA MERDA, como isso está errado!

Não podemos nos cansar com outras dores que não são as nossas, esconder o nosso luto atrás de lutas que não podemos lutar. Não podemos nos deixar cansar literalmente, do pulmão, do coração, da mente que insistentemente mente pra nós mesmos, como se eu tivéssemos pela frente tantas adversidades que não temos.

Bolsos vazios e malas vazias, sim, mas a vida está repleta das felicidades mais nobres. Estamos cegos de tão acostumados e as vezes nem as percebemos. Bolsos vazios e malas vazias, sim, mas uma casa cheia de pessoas maravilhosas, de comidas deliciosas e um lindo piano no hall. Não que as dores não sejam reais, mas por mais que não entendemos o adeus, as chegadas e partidas devem acontecer. E não há o menor problema em chorar por isso, desde que tenhamos conosco o nobre compromisso de nos permitir também partir e também chegar.

Todas as viagens PRECISAM acontecer, mesmo aquelas só de ida, mesmo quando as malas estão vazias... Com o coração preenchido, nenhuma viagem será perdida.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

O Monstro

Afaste-se!
Corra para o alto da montanha.
Dou-lhe a dica, por não ser completo monstro
mas sou monstro quando além da própria dica...

Fuja!
Como rei que abdica,
como o resto do mundo
que nunca fica.

Mas se tens em ti
o mesmo sonho bandido
então renegue os conselhos
de um qualquer desconhecido!

Aceite minha voz que retifica
traga sua alma que medica,
porque dentro de mim
há um monstro, sim
porém um filhote
que por ti, suplica.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Alísio

Me disseram que a vida é um sopro.
Seco, quente no início, gelado do fim.
Me disseram e desde então,
busco um vento mais forte pra mim.

Desde que me disseram
que a vida é um sopro
espero encontrar um túnel oco,
um corredor,
uma janela,
um moinho,
um campo de lavanda,
qualquer elemento terreno
que prolonge a viagem e o tempo
do ar que me sai de dentro,
do meio dos meus confins.

Desde que soube
do sopro que é a vida,
busco aquele vento encanado
que se alimenta de si mesmo
pra se manter avoado por aí.

Me disseram que a vida é um sopro
e desde então me arrebento
pra emplacar as rajadas mais rígidas
dos pulmões que não tenho,
arrancar do diafragma que não canta
a potência dolorida
que firma e afirma
meu empenho de vento.

E eu sei que não disseram só pra mim.
Disseram pra você também, enfim.
Sabes que a vida é um sopro
tanto quanto eu
e possivelmente
se nasceu fraco dos pulmões
como a maioria,
se esforça com a tua sangria
pra também prolongar
o sopro que é tua vida.

Mas eu cansei e no cansaço,
sem querer,
descobri um caminho mais fácil.
Vou dizer:

Já que a vida é um sopro,
não mais me importarei
com o esticar desse fio,
apenas, o quanto possível,
quero fazer dessa vida
um doce e afinado assobio.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

A Ressaca do Mar

Somos oceanos singulares
e hoje estou de ressaca.

As ondas batem pesadas
na contra partida da rebentação
e escondem em suas rajadas
a fraqueza desesperada
dos mares do coração.

É reação.

Saiba que estou cansado
cardio-enfraquecido
com os olhos marejados
dos velhos mares perdidos
que lembro à beira da praia
nas pedras que apanham da raiva
das ondas que trago comigo.

E a ressaca, impiedosa,
estoura nos piers
avança avenidas
esconde as orlas
na missão da omissão das dores.

É ação.

O ataque é a melhor defesa
pois não sou lago e não sou represa
e é assim que o oceano caminha.

Os murros em ponta de faca
são todos culpa da ressaca
e a ressaca é culpa minha.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

A Matilha

Trabalhamos feito cães de guarda. Guardamos o que não é nosso. Estamos em 7 bilhões e a lógica da humanidade dos cães é: "Cada cachorro que lamba a sua caceta." Parabéns aos envolvidos.