sábado, 25 de abril de 2015

Veterano

Não busco mais vagar
pela magia nos olhares e nos horizontes.
Hoje sou um homem sem planos,
não que ontem os tivesse aos montes.
Peço desculpas por este verso branco
Confesso, estranho o confuso,
desculpa por não ver o mundo,
desculpa por não ver avante.
Sei, pareço vazio de tudo
e de tudo pareço distante
pois na noite, céu negro à diante
há sangue nas mãos por instantes
que sempre se repetem, cortantes.
Sou, portanto,
pouco mais que um homem sem planos
ou menos, dependendo de tuas fontes:
Sou soldado,
combatente veterano,
insistente,
que um dia guerreou
em múltiplos frontes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário