quinta-feira, 21 de março de 2013

O Destino


Foi quando num belo dia fiquei pra trás. Simplesmente. Do nada. Parei de acelerar e fui ficando pra trás. Vi-me distanciando do que a pouco almejava, do que quase tive nas mãos... assim, ficando para trás. Muitos me ultrapassavam e às pressas indagavam se havia algo errado. Não compreendiam o porquê de eu estar perdendo a velocidade, de não seguir acompanhando o fluxo, de ser ultrapassado por uma kombi cheia de freiras. “Você está ficando para trás!”, diziam eles. E eu fui parando, parando, parando... parei. Contornei a rotatória e os buracos da vida, fiz o balão (um desses bem bonitos e coloridos). Voei. Voltei. E na contra-mão de todos, comecei tudo de novo.

E eles seguem dizendo à todos “aquele maluco está ficando pra trás!”. 
E eu sigo pensando comigo “esses malucos estão indo para o lado errado”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário